9 de agosto de 2009

Porque escrevo


Descrição da imagem: a foto é toda em branco e preto, como se de um terreno em erosão, com o solo descamando. No centro da foto, discreto como um camaleão, um olha negro, de cílios longos e com uma lágrima escura escorrendo. Muito bem encaixado com o ambiente, fica meio que como camuflado. 


Porque escrevo


Escrevo pra te ter por perto.
É somente isso.
Por saber que em algum lugar
– não sei ao certo onde, talvez do meio do mar –
buscarás por mim com os olhos de tua alma cega,
todo os dias.
Em tempos modernos, leituras diárias e obrigatórias
são as chamadas do jornal on line, a caixa de mensagens,
o twitter, o site de compras em promoção.
Os meus escritos não se encontram
entre as opções recomendadas pelos especialistas,
para uma boa administração do tempo e da vida.
Estariam na classificação das futilidades.
Mas sei que tens, silencioso e furtivo,
mais um item essencial
em tua rotina diária: o Meu Jardim.
Perde-te nele,
escondendo-se dos especialistas e consultores.
Se eles descobrem que gastas tempo assim, comigo...
Buscas diariamente por mim – eu pressinto.
Interpretas imagens, observa a mudança das cores,
a nitidez das letras, remoendo as palavras
na ânsia de extrair-lhes as informações que precisas
para saber de mim.
Sei que esperas que delas saia algum cheiro ou umidade,
que te façam rememorar as lembranças doces
de nossa sobrevida em comum.
Franzirás a testa, em surpresa,
quando souberes de mim, atualmente.
Perto de ti, jamais teria coragem! Não me permitiria.
Mas assim ... solta... posso tudo!
Não há porque me poupar dos riscos, da adrenalina
e dos efeitos do cio.
Sou só eu. Me jogo.
Percorres o meu jardim todo.
E eu, furtiva, te observando
por trás das gérberas vermelhas
do jardim de delícias
(é que são as minhas preferidas).
Quero correr o olhar sobre ti diversas vezes
De cima a baixo, de cima a baixo,
Com a pressa de quem tem fome
e escorre em gotas densas.
Se me perceberes a presença,
ah, aí me exibirei,
com a pouca roupa que me reste,
em passos de gazela, jogando os cabelos para o lado
simulando displicência
disfarçando a orquestração
de minhas atitudes programadas e sedutoras,
feitas para te causar espamos.
Ah, os odores...
Exaustivos ensaios para o caso de te olhar nos olhos.
Mirar-te-ei fixo - é o combinado.
Mas a ave de rapina que não come há dias
vai me denunciar e te mostrar as marcas,
aquelas dos pulsos, que só você conhece.
As que se escondem
entre as pedras e miçangas que me adornam.
Venho escrevendo para te ter por perto
Uma sherazade dos tempos modernos,
de jeans e lap top na mochila.
É o visual que me cai bem,
(embora a profissão e a idade queiram me impor outro).
Sei do teu encanto pelo que sai dos meus lábios
e das pontas dos meus dedos.
Então, despudorada, me exibo em palavras.
Escrevo para que me sinta latente em tuas veias grossas,
as que alimentam os teus braços
cujo calor e a firmeza me encantam sempre que te vejo.
Palavras saindo em fluxo de violenta pressão,
porque tenho urgência de ti.
Escrevo para que me sinta quente e úmida em tuas mãos
Acostumei assim, a não poder, a todo momento,
te encher dos beijos
e da pressão da minha boca, nos pontos certos.
Acostumei assim,
a te encher de letras e palavras roucas em grafite,
ou de letras de forma pontiaguda no computador,
como flechas.
Há tempos que os meus beijos
são os de batom púrpura em papel de escritório,
marcando o fim do que te escrevo
Nunca chegarão a tuas mãos, como, de fato, seus.
Uso em meu favor o benefício da dúvida:
a publicação.
Em versos, há a desculpa do personagem,
de que se trata de ficção.
E me divirto em saber que isso te atordoa.
Uma mulher má...
Abaixo, sempre assinado
em discreta caneta preta: A Sua.

Related Posts with Thumbnails
Loading...

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO